terça-feira, 12 de junho de 2007

Bicicleta de Pista X Bicicleta de Roda-fixa





Velódromo de Curitiba

Fiquei surpreso hoje ao observar o fim do treino matinal no velódromo de Curitiba!

Além dos atletas da Equipe Brasileira de Ciclismo, havia vários outros treinando com suas bicicletas de pista (roda-fixa).

Como o técnico Adir faz também adaptações em quadros de estrada, para serem usados na pista, passei na sede para que ele tirasse minhas medidas para o novo quadro e me surpreendi com o número de bicicletas com roda-fixa na sede do velódromo! Massa! Uma pena não ver estas máquinas pelas ruas da cidade...

Mas qual é a diferença entre bicicleta de pista e bicicleta de roda-fixa?

Novamente pela falta de informação e de popularidade da roda-fixa no Brasil, as pessoas acabam confundindo as duas coisas, como nesta reportagem, por exemplo: http://www.bikemagazine.com.br/
index.php?option=com_content&task=view&id=503&Itemid=0

Bicicletas de pista

Em primeiro lugar, as bicicletas de pista são projetadas para uso dentro de velódromos apesar de alguns ciclistas as usarem nas ruas (falaremos sobre este caso especial mais adiante).

Praticamente o único ponto em comum entre bicicletas de rua convertidas e bicicletas de pista é o fato de ambas possuírem roda-fixa.

As bicicletas de pista não possuem freios, equipamento desnecessário quando todos estão girando no mesmo sentido, inclusive em algumas pistas é proibido pedalar bicicletas com freio devido ao aumento do risco de acidentes.

Pelo fato de não necessitarem de freios e nem da instalação de pára-lamas e acessórios em geral, as bicicletas de pista possuem tolerâncias muito pequenas entre pneus e garfo/quadro, o que as deixam mais firmes lateralmente para que agüentem as pedaladas mais fortes nos sprints.

A geometria do quadro é diferente também, sendo este mais rígido e construído com ângulos mais altos. Bom para dirigibilidade dentro da pista (sem buracos e lombadas), mas tornando-as mais frágeis para andar na rua, por exemplo.

As gancheiras traseiras são horizontais, ao invés das clássicas semi-horizontais e das modernas verticais, e os eixos não contam com blocagem e sim com o sistema tradicional de porcas.

Para maiores informações sobre o velódromo clique aqui: http://www.velodrome.com/

Bicicletas de estrada convertidas em roda-fixa

Apesar da beleza e do estilo insuperável de uma verdadeira bicicleta de pista (sem artifícios e somente com o necessário para se pedalar), vimos que elas não são o ideal para as ruas, o que leva muitos ciclistas dispostos a desfrutar dos benefícios de pedalar com roda-fixa a converter uma bicicleta clássica de estrada. Aqui no Brasil, devido à popularidade, as Caloi 10 e a Monark 10 acabam sendo boas pedidas para conversão.

A conversão em si é relativamente simples e a descrição dada no link da bikemagazine a cima é bem boa, pois leva em consideração as peças disponíveis na maioria das lojas especializadas aqui no Brasil.

Em primeiro lugar, é necessário retirar toda e qualquer peça desnecessária da bicicleta (como câmbio, coroas extras, a catraca e o freio traseiro).

A parte da bicicleta que sofrerá a maior modificação será a roda traseira, que deverá ser centrada novamente (a final, agora você contará apenas com um pinhão, tornando desnecessário o ângulo maior nos raios do lado esquerdo, para compensar a catraca com vários pinhões). Além de centrar a roda, será necessária a utilização de espaçadores no eixo, para alinhar seu pinhão único com sua coroa.

Lembre-se que em bicicletas com roda-fixa, é extremamente importante que o alinhamento entre coroa e pinhão seja preciso e que a corrente esteja bem esticada, pois o conjunto receberá força em ambas direções (positiva quando se estiver mantendo ou aumentando a velocidade e negativa quando se estiver diminuindo).

É importante que a bicicleta a ser convertida conte com gancheiras horizontais (de pista) ou semi-horizontais, o que permite o ajuste perfeito da corrente. Não é possível transformar uma bicicleta de estrada com gancheiras verticais em roda-fixa, salvo com o uso de um cubo especial (com o eixo fora de centro).

Trataremos de informações mais detalhadas em relação à conversão de bicicletas de estrada em roda-fixa mais adiante.

ATENÇÃO: Lembre-se que para pedalar pelas ruas, algumas medidas de segurança devem ser observadas. Ao pedalar com roda-fixa estas medidas são as vezes mais extremas e trataremos sobre o assunto mais adiante. Por enquanto, para saber um pouco mais sobre as técnicas aplicadas ao pedalar com roda-fixa clique no link: http://www.63xc.com/gregg/101_1.htm

Bicicletas de uma marcha

Outra confusão comum é em relação às bicicletas de uma marcha. Apesar de aparentemente semelhantes às bicicletas de roda-fixa, por terem apenas uma marcha, estas bicicletas contam com uma catraca (aquele mecanismo presente na maioria das bicicletas que permite que paremos de pedalar mesmo enquanto a roda traseira está girando – estado conhecido vulgarmente como “andar na banguela”).

A maioria das bicicletas de uma marcha tradicionais (como Barra Forte e Barra Circular, por exemplo) possuem um sistema de freio conhecido como “contra-pedal” ou “torpedo”, o que não se verifica em bicicletas com roda-fixa.

Fotos a cima

  1. Treino coletivo em pista (Velódromo de Curitiba)
  2. Bicicleta de pista Privitera
  3. Bicicleta de uma marcha (não roda-fixa)

8 comentários:

leonardo disse...

Ola, sou de vitoria e, recentemente, converti minha 'caloi 10' para 'caloi fixed' só que do jeito mais simples possivel: tirei a catraca e pus o pinhao + o anel do movimento central.
No entanto, li no seu blog que é nescessario dar uma re-centralizada na roda traseira, gostaria de saber como que eu faço isso.
acredito que eu tenha que ir na bicicletaria e pedir para centrar a roda de 5 marchas para apenas uma marcha certo? ou é necessario eu explicar pro cara que eu quero centrar a roda para roda fixa (coisa que ele nem deve saber o qeu é).
valeu e não desista do seu blog não ;)
xherife@hotmail.com

leonardo disse...

Ola, sou de vitoria e, recentemente, converti minha 'caloi 10' para 'caloi fixed' só que do jeito mais simples possivel: tirei a catraca e pus o pinhao + o anel do movimento central.
No entanto, li no seu blog que é nescessario dar uma re-centralizada na roda traseira, gostaria de saber como que eu faço isso.
acredito que eu tenha que ir na bicicletaria e pedir para centrar a roda de 5 marchas para apenas uma marcha certo? ou é necessario eu explicar pro cara que eu quero centrar a roda para roda fixa (coisa que ele nem deve saber o qeu é).
valeu e não desista do seu blog não ;)
xherife@hotmail.com

Gabriel Nogueira disse...

Olá Leonardo. Legal saber que existem outros entusiastas da Roda-fixa aqui no Brasil.
Em relação à sua dúvida, acredito que uma visita ao mecânico de bicicletas mais próximo resolva o problema. Centrar o aro é algo um tanto quanto difícil para amadores e nada melhor que um profissional pra resolver o problema. Observe que o processo de centragem de uma roda com 1 ou 7 pinhões é o mesmo. Tenha sempre em mente que o resultado final deve sempre ser um aro literalmente centrado em relação ao quadro.

Anônimo disse...

eai galera sou julio moro em new york e trabaho como bike mensage
com uma fixed gear aq e uma cultura legal q no brasil ta ficando popular boa sorte com seu blog guerrilheiros sem freios nyc
lhpfielar15@msn.com

Anônimo disse...

Boa Trade, sou de São Paulo e estou com vontade de ter uma Bike de pista, gostaria se possível que alguem me desse alumas informações. Vi duas Bikes, uma é a GIANT BOWERY e a outra é a KHS FLITE 100, façam comentários sobre as bikes e se posso com mais ou menos essa quantia adiquirir algo que tenha uma relaçâo custo benefício bem melhor.

Ivan

Gabriel Nogueira disse...

Bicho, vou colocar uma avaliação no próximo post. Abraço.

.... disse...

Olá Gabriel!

Eu gostaria de saber se existem muitas mulheres amantes de roda-fixa?
Pq adoro rodafixa e tenho uma, e nunca vi outra mulher fora eu. adoro seu blog, um abraço.

Gabriel Nogueira disse...

Olá, que bom que você curte o blogue.
Até onde eu sei, no Brasil não existem muitas garotas. Em CWB talvez umas 2 (Sol e Yasmin) e em SP umas 2 (JUM e ???).
Aqui em Berlim, assim como na Europa em geral, EUA, Austrália e Japão, devem existir 1 mina pedalando fixa para cada 50 meninos...